Quimiweb
Sustentabilidade
global
produção
relatório
fósseis
combustíveis

Planos de produção de combustíveis fósseis dos governos estão além dos objetivos do Acordo de Paris

EcoDebate

Autor

Planos de produção de combustíveis fósseis dos governos estão além dos objetivos do Acordo de Paris

refinaria

Governos ainda planejam produzir em 2030 mais do dobro da quantidade de combustíveis fósseis do que seria necessário para limitar o aquecimento global a 1,5°C.

O Relatório sobre a Lacuna de Produção 2021, elaborado por renomados institutos de pesquisa e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), conclui que, apesar do aumento das ambições climáticas e dos compromissos líquidos zero, os governos ainda planejam produzir em 2030 mais do dobro da quantidade de combustíveis fósseis do que seria necessário para limitar o aquecimento global a 1,5°C.

O relatório, lançado pela primeira vez em 2019, mede e compara os níveis da produção planejada de carvão, petróleo e gás pelos governos e os níveis de produção global que seriam necessários para alcançar os limites de temperatura do Acordo de Paris. Agora, dois anos depois, o relatório de 2021 encontra esta lacuna de produção praticamente inalterada.

Nas próximas duas décadas, os governos estão projetando coletivamente um aumento na produção global de petróleo e gás, e apenas uma modesta diminuição na produção de carvão. Em geral, seus planos e projeções preveem um aumento na produção de combustíveis fósseis até pelo menos 2040, criando uma lacuna de produção cada vez maior.

“Os impactos devastadores da mudança climática estão aqui para todos verem. Ainda há tempo para limitar o aquecimento a longo prazo a 1,5°C, mas esta janela de oportunidade está se fechando rapidamente”, diz Inger Andersen, Diretora Executiva do PNUMA.

“Na COP26 e adiante, os governos do mundo devem dar um passo à frente, adotando medidas rápidas e imediatas para fechar a lacuna da produção de combustíveis fósseis e garantir uma transição justa e equitativa. É assim que se parece a ambição climática“, acrescentou Andersen.

O Relatório sobre a Lacuna de Produção 2021 apresenta o perfil de 15 grandes países produtores: Austrália, Brasil, Canadá, China, Alemanha, Índia, Indonésia, México, Noruega, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Estados Unidos. Os perfis dos países mostram que a maioria desses governos continua a fornecer apoio político significativo para a produção de combustíveis fósseis.

“A pesquisa é clara: a produção global de carvão, petróleo e gás deve começar a declinar imediatamente e de forma acentuada para ser consistente com a limitação do aquecimento a longo prazo a 1,5°C”, afirma Ploy Achakulwisut, um dos principais autores do relatório e cientista do SEI. “Entretanto, os governos continuam a planejar e apoiar níveis de produção de combustível fóssil que são muito superiores ao que podemos queimar com segurança”.

As principais conclusões do relatório incluem:

• Os governos do mundo planejam produzir cerca de 110% mais combustíveis fósseis em 2030 do que seria consistente com a limitação do aquecimento a 1,5°C, e 45% mais do que consistente com 2°C. O tamanho da lacuna de produção permaneceu em grande parte inalterado em comparação com nossas avaliações anteriores.
• Os planos e projeções de produção dos governos levariam a cerca de 240% mais carvão, 57% mais petróleo e 71% mais gás em 2030 do que seria consistente com a limitação do aquecimento global a 1,5°C.
• A produção global de gás é projetada para aumentar mais entre 2020 e 2040 com base nos planos dos governos. Esta expansão global contínua e de longo prazo na produção de gás é inconsistente com os limites de temperatura do Acordo de Paris.
• Desde o início da pandemia da COVID-19, os países direcionaram mais de 300 bilhões de dólares em novos fundos para as atividades de combustíveis fósseis – mais do que eles têm direcionado para energia limpa.
• Em contraste, as finanças públicas internacionais para a produção de combustíveis fósseis dos países do G20 e dos principais bancos multilaterais de desenvolvimento (MDBs, na sigla em inglês) diminuíram significativamente nos últimos anos; um terço dos MDBs e das instituições financeiras de desenvolvimento (DFIs, na sigla em inglês) do G20, por tamanho de ativos, adotaram políticas que excluem as atividades de produção de combustíveis fósseis do financiamento futuro.
• Informações verificáveis e comparáveis sobre a produção de combustíveis fósseis e apoio – tanto de governos como de empresas – são essenciais para lidar com a lacuna de produção.

“Os primeiros esforços das instituições financeiras de desenvolvimento para cortar o apoio internacional à produção de combustíveis fósseis são encorajadores, mas estas mudanças precisam ser seguidas por políticas concretas e ambiciosas de eliminação progressiva dos combustíveis fósseis para limitar o aquecimento global a 1,5°C”, diz Lucile Dufour, Assessora Sênior de Políticas do Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD, na sigla em inglês).

“As nações produtoras de combustíveis fósseis devem reconhecer seu papel e responsabilidade em fechar a lacuna de produção e nos orientar para um futuro climático seguro”, diz Måns Nilsson, diretor executivo do SEI. “À medida que os países se comprometem cada vez mais com as emissões líquidas zero até meados do século, eles também precisam reconhecer a rápida redução na produção de combustíveis fósseis que suas metas climáticas exigirão”.

O relatório é produzido pelo Instituto Ambiental de Estocolmo (SEI), Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD), Instituto de Desenvolvimento Internacional (ODI, em inglês), E3G, e o PNUMA. Mais de 40 pesquisadores contribuíram para a análise e revisão, abrangendo numerosas universidades, grupos de reflexão e outras organizações de pesquisa.

Notas

Acesse o relatório

Acesse o Sumário Executivo (em inglês)

Acesse o Sumário Executivo nos idiomas oficiais da ONU

Reações ao Relatório sobre a Lacuna de Produção 2020

“Os recentes anúncios das maiores economias do mundo para acabar com o financiamento internacional de carvão são um passo necessário para a eliminação gradual dos combustíveis fósseis.  Mas, como este relatório mostra claramente, ainda há um longo caminho a ser percorrido para um futuro de energias limpas. É urgente que todos os demais financiadores públicos e privados, incluindo bancos e gestores de ativos, transfiram o financiamento de carvão para o de energias renováveis a fim de promover a descarbonização total do setor energético e o acesso à energia renovável para todos”. – António Guterres, Secretário Geral da ONU

“Este relatório mostra, mais uma vez, uma verdade simples, mas poderosa: precisamos parar de extrair petróleo e gás do solo se quisermos atingir os objetivos do Acordo de Paris. Devemos endereçar simultaneamente a demanda e a oferta de combustíveis fósseis. É por isso que, juntamente com a Dinamarca, estamos liderando a criação da Beyond Oil and Gas Alliance para pôr um fim à expansão da extração de combustíveis fósseis, planejar uma transição justa para os trabalhadores e começar a encerrar a produção existente de forma gerenciada”. – Andrea Meza, Ministra do Meio Ambiente e Energia da Costa Rica

“O Relatório sobre a Lacuna de Produção 2021 demonstra mais uma vez, em termos inequívocos, que precisamos de reduções significativas na produção de combustíveis fósseis se quisermos atingir as metas do Acordo de Paris. Em resposta, a Dinamarca tomou a decisão de cancelar todas as futuras rodadas de licenciamento para petróleo e gás, e eliminar completamente nossa produção até 2050. Com a Costa Rica, encorajamos todos os governos a tomar medidas semelhantes e a aderir à Beyond Oil and Gas Alliance para promover uma eliminação gerenciada e justa da produção de combustíveis fósseis”. – Dan Jørgensen, Ministro do Clima, Energia e Utilidades, Dinamarca

Sobre o Relatório sobre a Lacuna de Produção
Modelado após a série de relatórios do PNUMA sobre as lacunas de emissões – e concebido como uma análise complementar -, este relatório transmite a grande discrepância entre a produção planejada de combustíveis fósseis dos países e os níveis de produção global necessários para limitar o aquecimento a 1,5°C e 2°C.
Sobre o Instituto Ambiental de Estocolmo
O Instituto Ambiental de Estocolmo (SEI) é um instituto de pesquisa independente e internacional que vem se dedicando a questões ambientais e de desenvolvimento em nível local, nacional, regional e global por mais de um quarto de século. O SEI apoia a tomada de decisões para o desenvolvimento sustentável, fazendo a ponte entre a ciência e a política.
Sobre o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA)
O PNUMA é a principal voz global sobre o meio ambiente. Ele fornece liderança e incentiva a parceria no cuidado com o meio ambiente, inspirando, informando e permitindo que as nações e os povos melhorem sua qualidade de vida sem comprometer a das gerações futuras.
Sobre o Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável
Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD) é um premiado e independente grupo de reflexão que defende soluções orientadas por pesquisa para os maiores desafios ambientais do mundo. Sua visão é para um mundo equilibrado onde as pessoas e o planeta prosperem; nossa missão é acelerar a transição global para água limpa, economias justas e um clima estável. Com escritórios em Winnipeg, Genebra, Ottawa e Toronto, nosso trabalho tem impacto em quase 100 países.

Sobre o Instituto de Desenvolvimento Internacional (ODI, em inglês)
Instituto de Desenvolvimento Internacional é um grupo de reflexão independente e global, que trabalha para inspirar as pessoas a agir sobre a injustiça e a desigualdade. Através da pesquisa, convocação e influência, o ODI gera idéias que são importantes para as pessoas e para o planeta.

Sobre o E3G
E3G é um think tank europeu independente de mudanças climáticas que acelera a transição para um mundo seguro para o clima. O E3G é composto por estrategistas líderes mundiais na economia política da mudança climática, dedicados a alcançar um clima seguro para todos. O E3G constrói coalizões intersetoriais para alcançar resultados cuidadosamente definidos, escolhidos por sua capacidade de alavancar a mudança. E3G trabalha em colaboração com parceiros que possuem os mesmos interesses em governo, política, negócios, sociedade civil, ciência, mídia, fundações de interesse público e outros. A E3G procura tornar possível o necessário.

O Relatório sobre a Lacuna de Produção 2021, elaborado por renomados institutos de pesquisa e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), conclui que, apesar do aumento das ambições climáticas e dos compromissos líquidos zero, os governos ainda planejam produzir em 2030 mais do dobro da quantidade de combustíveis fósseis do que seria necessário para limitar o aquecimento global a 1,5°C.

O relatório, lançado pela primeira vez em 2019, mede e compara os níveis da produção planejada de carvão, petróleo e gás pelos governos e os níveis de produção global que seriam necessários para alcançar os limites de temperatura do Acordo de Paris. Agora, dois anos depois, o relatório de 2021 encontra esta lacuna de produção praticamente inalterada.

Nas próximas duas décadas, os governos estão projetando coletivamente um aumento na produção global de petróleo e gás, e apenas uma modesta diminuição na produção de carvão. Em geral, seus planos e projeções prevêem um aumento na produção de combustíveis fósseis até pelo menos 2040, criando uma lacuna de produção cada vez maior.

“Os impactos devastadores da mudança climática estão aqui para todos verem. Ainda há tempo para limitar o aquecimento a longo prazo a 1,5°C, mas esta janela de oportunidade está se fechando rapidamente”, diz Inger Andersen, Diretora Executiva do PNUMA.

“Na COP26 e adiante, os governos do mundo devem dar um passo à frente, adotando medidas rápidas e imediatas para fechar a lacuna da produção de combustíveis fósseis e garantir uma transição justa e equitativa. É assim que se parece a ambição climática“, acrescentou Andersen.

O Relatório sobre a Lacuna de Produção 2021 apresenta o perfil de 15 grandes países produtores: Austrália, Brasil, Canadá, China, Alemanha, Índia, Indonésia, México, Noruega, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Estados Unidos. Os perfis dos países mostram que a maioria desses governos continua a fornecer apoio político significativo para a produção de combustíveis fósseis. 

“A pesquisa é clara: a produção global de carvão, petróleo e gás deve começar a declinar imediatamente e de forma acentuada para ser consistente com a limitação do aquecimento a longo prazo a 1,5°C”, afirma Ploy Achakulwisut, um dos principais autores do relatório e cientista do SEI. “Entretanto, os governos continuam a planejar e apoiar níveis de produção de combustível fóssil que são muito superiores ao que podemos queimar com segurança”.

As principais conclusões do relatório incluem:

Os governos do mundo planejam produzir cerca de 110% mais combustíveis fósseis em 2030 do que seria consistente com a limitação do aquecimento a 1,5°C, e 45% mais do que consistente com 2°C. O tamanho da lacuna de produção permaneceu em grande parte inalterado em comparação com nossas avaliações anteriores.

Os planos e projeções de produção dos governos levariam a cerca de 240% mais carvão, 57% mais petróleo e 71% mais gás em 2030 do que seria consistente com a limitação do aquecimento global a 1,5°C.

A produção global de gás é projetada para aumentar mais entre 2020 e 2040 com base nos planos dos governos. Esta expansão global contínua e de longo prazo na produção de gás é inconsistente com os limites de temperatura do Acordo de Paris. 

Desde o início da pandemia da COVID-19, os países direcionaram mais de 300 bilhões de dólares em novos fundos para as atividades de combustíveis fósseis – mais do que eles têm direcionado para energia limpa.

Em contraste, as finanças públicas internacionais para a produção de combustíveis fósseis dos países do G20 e dos principais bancos multilaterais de desenvolvimento (MDBs, na sigla em inglês) diminuíram significativamente nos últimos anos; um terço dos MDBs e das instituições financeiras de desenvolvimento (DFIs, na sigla em inglês) do G20, por tamanho de ativos, adotaram políticas que excluem as atividades de produção de combustíveis fósseis do financiamento futuro.

Informações verificáveis e comparáveis sobre a produção de combustíveis fósseis e apoio – tanto de governos como de empresas – são essenciais para lidar com a lacuna de produção.

“Os primeiros esforços das instituições financeiras de desenvolvimento para cortar o apoio internacional à produção de combustíveis fósseis são encorajadores, mas estas mudanças precisam ser seguidas por políticas concretas e ambiciosas de eliminação progressiva dos combustíveis fósseis para limitar o aquecimento global a 1,5°C”, diz Lucile Dufour, Assessora Sênior de Políticas do Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD, na sigla em inglês).

“As nações produtoras de combustíveis fósseis devem reconhecer seu papel e responsabilidade em fechar a lacuna de produção e nos orientar para um futuro climático seguro”, diz Måns Nilsson, diretor executivo do SEI. “À medida que os países se comprometem cada vez mais com as emissões líquidas zero até meados do século, eles também precisam reconhecer a rápida redução na produção de combustíveis fósseis que suas metas climáticas exigirão”.

O relatório é produzido pelo Instituto Ambiental de Estocolmo (SEI), Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD), Instituto de Desenvolvimento Internacional (ODI, em inglês), E3G, e o PNUMA. Mais de 40 pesquisadores contribuíram para a análise e revisão, abrangendo numerosas universidades, grupos de reflexão e outras organizações de pesquisa.

 Notas

Acesse o relatório

Acesse o Sumário Executivo (em inglês)

Acesse o Sumário Executivo nos idiomas oficiais da ONU

Reações ao Relatório sobre a Lacuna de Produção 2020

“Os recentes anúncios das maiores economias do mundo para acabar com o financiamento internacional de carvão são um passo necessário para a eliminação gradual dos combustíveis fósseis.  Mas, como este relatório mostra claramente, ainda há um longo caminho a ser percorrido para um futuro de energias limpas. É urgente que todos os demais financiadores públicos e privados, incluindo bancos e gestores de ativos, transfiram o financiamento de carvão para o de energias renováveis a fim de promover a descarbonização total do setor energético e o acesso à energia renovável para todos”. – António Guterres, Secretário Geral da ONU

“Este relatório mostra, mais uma vez, uma verdade simples, mas poderosa: precisamos parar de extrair petróleo e gás do solo se quisermos atingir os objetivos do Acordo de Paris. Devemos endereçar simultaneamente a demanda e a oferta de combustíveis fósseis. É por isso que, juntamente com a Dinamarca, estamos liderando a criação da Beyond Oil and Gas Alliance para pôr um fim à expansão da extração de combustíveis fósseis, planejar uma transição justa para os trabalhadores e começar a encerrar a produção existente de forma gerenciada”. – Andrea Meza, Ministra do Meio Ambiente e Energia da Costa Rica

“O Relatório sobre a Lacuna de Produção 2021 demonstra mais uma vez, em termos inequívocos, que precisamos de reduções significativas na produção de combustíveis fósseis se quisermos atingir as metas do Acordo de Paris. Em resposta, a Dinamarca tomou a decisão de cancelar todas as futuras rodadas de licenciamento para petróleo e gás, e eliminar completamente nossa produção até 2050. Com a Costa Rica, encorajamos todos os governos a tomar medidas semelhantes e a aderir à Beyond Oil and Gas Alliance para promover uma eliminação gerenciada e justa da produção de combustíveis fósseis”. – Dan Jørgensen, Ministro do Clima, Energia e Utilidades, Dinamarca


Sobre o Relatório sobre a Lacuna de Produção
Modelado após a série de relatórios do PNUMA sobre as lacunas de emissões – e concebido como uma análise complementar -, este relatório transmite a grande discrepância entre a produção planejada de combustíveis fósseis dos países e os níveis de produção global necessários para limitar o aquecimento a 1,5°C e 2°C.

Sobre o Instituto Ambiental de Estocolmo
O Instituto Ambiental de Estocolmo (SEI) é um instituto de pesquisa independente e internacional que vem se dedicando a questões ambientais e de desenvolvimento em nível local, nacional, regional e global por mais de um quarto de século. O SEI apoia a tomada de decisões para o desenvolvimento sustentável, fazendo a ponte entre a ciência e a política.

Sobre o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA)
O PNUMA é a principal voz global sobre o meio ambiente. Ele fornece liderança e incentiva a parceria no cuidado com o meio ambiente, inspirando, informando e permitindo que as nações e os povos melhorem sua qualidade de vida sem comprometer a das gerações futuras.

 Sobre o Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável 

Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD) é um premiado e independente grupo de reflexão que defende soluções orientadas por pesquisa para os maiores desafios ambientais do mundo. Sua visão é para um mundo equilibrado onde as pessoas e o planeta prosperem; nossa missão é acelerar a transição global para água limpa, economias justas e um clima estável. Com escritórios em Winnipeg, Genebra, Ottawa e Toronto, nosso trabalho tem impacto em quase 100 países. 

Sobre o Instituto de Desenvolvimento Internacional (ODI, em inglês)  

Instituto de Desenvolvimento Internacional é um grupo de reflexão independente e global, que trabalha para inspirar as pessoas a agir sobre a injustiça e a desigualdade. Através da pesquisa, convocação e influência, o ODI gera idéias que são importantes para as pessoas e para o planeta. 

Sobre o E3G

E3G é um think tank europeu independente de mudanças climáticas que acelera a transição para um mundo seguro para o clima. O E3G é composto por estrategistas líderes mundiais na economia política da mudança climática, dedicados a alcançar um clima seguro para todos. O E3G constrói coalizões intersetoriais para alcançar resultados cuidadosamente definidos, escolhidos por sua capacidade de alavancar a mudança. E3G trabalha em colaboração com parceiros que possuem os mesmos interesses em governo, política, negócios, sociedade civil, ciência, mídia, fundações de interesse público e outros. A E3G procura tornar possível o necessário. 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/10/2021

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.


Leia este artigo com uma
conta gratuita.

Já tem uma conta? Faça Login

Relacionados

EcoDebate: Índice da edição nº 3.784, de 26/11/2021

EcoDebate: Índice da edição nº 3.784, de 26/11/2021

  EcoDebate: Índice da edição nº 3.784, de 26/11/2021 Revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394 Texto e Áudio A redução da expectativa de vida em 2020 e a Tábua de Vida do IBGE O ‘greenwashing’ das big techs na Cop-26...

Por EcoDebate

A redução da expectativa de vida em 2020 e a Tábua de Vida do IBGE

A redução da expectativa de vida em 2020 e a Tábua de Vida do IBGE

  A redução da expectativa de vida em 2020 e a Tábua de Vida do IBGE, artigo de José Eustáquio Diniz Alves Sem conhecer o tamanho real da população e sua estrutura por sexo e idade fica impossível calcular...

Por EcoDebate

Conservação, Baleias e Turismo no Extremo Sul da Bahia, Parte 3

Conservação, Baleias e Turismo no Extremo Sul da Bahia, Parte 3

  Conservação, Baleias e Turismo no Extremo Sul da Bahia: uma conversa a partir da Educação Ambiental com quem entende sobre o tema, Parte 3 A proteção das baleias só seria válida e eficaz se os oceanos também fossem...

Por EcoDebate