Quimiweb
Sustentabilidade
dados
plantas
espécies
ecodebate
polinizadores

Declínio de polinizadores ameaça um terço das espécies de plantas com flores

EcoDebate

Autor

Declínio de polinizadores ameaça um terço das espécies de plantas com flores

abelha morta

Cerca de 175.000 espécies de plantas – metade de todas as plantas com flores – dependem principalmente ou totalmente de polinizadores animais para fazer sementes e, assim, se reproduzir

Stellenbosch University *

O declínio dos polinizadores pode, portanto, causar grandes perturbações nos ecossistemas naturais, incluindo a perda de biodiversidade.

Esta é a conclusão de um artigo, “Widespread vulnerability of plant seed production to pollinator declines” (Vulnerabilidade generalizada da produção de sementes de plantas ao declínio de polinizadores), publicado na revista Science Advances em 13 de outubro de 2021.

O Dr. James Rodger , pós-doutorando no Departamento de Ciências Matemáticas da Stellenbosch University (SU) e autor principal, diz que este é o primeiro estudo a fornecer uma estimativa global da importância dos polinizadores para as plantas em ecossistemas naturais.

O estudo, envolvendo 21 cientistas afiliados a 23 instituições de cinco continentes, foi liderado pelo Dr. James Rodger e Prof Allan Ellis da Stellenbosch University (SU). É um produto do Centro de Síntese para Ciências da Biodiversidade (sDiv) do Centro Alemão de Pesquisa Integrativa da Biodiversidade .

A professora Tiffany Knight, do Helmholtz Center for Environmental Research e co-autora sênior, afirma que as recentes avaliações globais da polinização destacaram uma lacuna de conhecimento em nossa compreensão de como as plantas dependem dos polinizadores animais: “Nossa pesquisa sintética aborda essa lacuna e permite para vincularmos as tendências da biodiversidade e abundância dos polinizadores às consequências para as plantas em nível global ”, explica ela.

Embora a maioria das plantas seja polinizada por animais, a maioria das plantas também tem um pouco de autofertilidade. Isso significa que eles podem fazer pelo menos algumas sementes sem polinizadores, por exemplo, por autofecundação. No entanto, até este estudo, a pergunta: “Qual a importância dos polinizadores para as plantas selvagens?” não teve uma resposta clara a nível global.

Os pesquisadores usaram a contribuição dos polinizadores para a produção de sementes – medida pela comparação da produção de sementes na ausência de polinizadores com a produção de sementes com os polinizadores presentes – como um indicador de sua importância para as plantas. Dados sobre isso existiam, mas foram espalhados em centenas de artigos, cada um enfocando experimentos de polinização em diferentes espécies de plantas.

Para resolver esse problema, pesquisadores de várias instituições começaram a consolidar as informações em bancos de dados: Dr. Rodger desenvolveu o Stellenbosch Breeding System Database como pós-doutorado no Departamento de Botânica e Zoologia de SU; A Prof. Tiffany Knight, a Prof. Tia-Lynn Ashman e a Dra. Janette Steets lideraram o grupo de trabalho sPLAT que produziu o banco de dados GloPL; e o Prof. Mark van Kleunen e a Dra. Mialy Razanajatovoproduziu o banco de dados do sistema de reprodução Konstanz. Todos os três bancos de dados foram combinados em um novo banco de dados para o estudo atual. Inclui dados de 1 528 experimentos separados, representando 1 392 populações de plantas e 1 174 espécies de 143 famílias de plantas e todos os continentes, exceto a Antártica.

Os resultados mostram que, sem polinizadores, um terço das espécies de plantas com flores não produziria sementes e metade sofreria uma redução de 80% ou mais na fertilidade. Portanto, embora a autofertilidade seja comum, de forma alguma compensa totalmente as reduções no serviço de polinização na maioria das espécies de plantas.

“Estudos recentes mostram que muitas espécies de polinizadores diminuíram em número, algumas até mesmo extintas. Nossa descoberta de que um grande número de espécies de plantas selvagens dependem de polinizadores mostra que o declínio dos polinizadores pode causar grandes interrupções nos ecossistemas naturais ”, alerta o Dr. Rodger.

O professor Mark van Kleunen, da Universidade de Konstanz e coautor, afirma que não é o caso de desaparecimento de todos os polinizadores: “Se houver menos polinizadores por aí, ou mesmo apenas uma mudança em que as espécies de polinizadores são mais numerosas, podemos esperar efeitos indiretos sobre as plantas, com as espécies de plantas afetadas potencialmente em declínio, prejudicando ainda mais as espécies animais e as populações humanas que dependem dessas plantas. Os polinizadores não são importantes apenas para a produção agrícola, mas também para a biodiversidade.

“Isso também significa que as plantas que não dependem de polinizadores, como muitas ervas daninhas problemáticas, podem se espalhar ainda mais quando os polinizadores continuam a diminuir”, acrescenta.

A Dra. Joanne Bennet , coautora da Universidade de Canberra que curou o banco de dados GloOL, diz que outro fator desconcertante é o ciclo de feedback positivo que se desenvolve se as plantas dependentes de polinizadores diminuem ou se extinguem: “Se as plantas autoférteis vierem a dominar o paisagem, então ainda mais polinizadores serão afetados negativamente, porque as plantas autoférteis tendem a produzir menos néctar e pólen. ”

Mas nem tudo é desgraça e tristeza, de acordo com o Dr. Rodger. Muitas plantas têm vida longa, abrindo uma janela de oportunidade para restaurar os polinizadores antes que ocorram extinções de plantas por falta de polinizadores.

“Não temos dados de monitoramento de longo prazo de alta qualidade sobre polinizadores na África, por exemplo, incluindo a África do Sul, embora algum trabalho tenha sido iniciado nesse sentido. Esperamos que nossas descobertas estimulem mais esse tipo de pesquisa, para que possamos detectar o declínio de polinizadores e mitigar seus impactos sobre a biodiversidade ”, conclui o Dr. Rodger.

Referência:

Widespread vulnerability of flowering plant seed production to pollinator declines
James G. Rodger e al.
Science Advances • 13 Oct 2021 • Vol 7, Issue 42 •
DOI: 10.1126/sciadv.abd3524

Henrique Cortez *, tradução e edição.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 14/10/2021

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.


Leia este artigo com uma
conta gratuita.

Já tem uma conta? Faça Login

Relacionados

Cuidado com as Armadilhas da Black Friday! Confira dicas para economizar e praticar o consumo consciente

Cuidado com as Armadilhas da Black Friday! Confira dicas para economizar e praticar o consumo consciente

Chegamos a mais uma Black Friday, época de maior venda e faturamento dos comerciantes, principalmente dos grandes varejistas. É também época de preços mais baixos, certo? Bem, não necessariamente. Mas esse não é o único problema. A cada ano,...

Por AUTOSUSTENTÁVEL

EcoDebate: Índice da edição nº 3.784, de 26/11/2021

EcoDebate: Índice da edição nº 3.784, de 26/11/2021

  EcoDebate: Índice da edição nº 3.784, de 26/11/2021 Revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394 Texto e Áudio A redução da expectativa de vida em 2020 e a Tábua de Vida do IBGE O ‘greenwashing’ das big techs na Cop-26...

Por EcoDebate

A redução da expectativa de vida em 2020 e a Tábua de Vida do IBGE

A redução da expectativa de vida em 2020 e a Tábua de Vida do IBGE

  A redução da expectativa de vida em 2020 e a Tábua de Vida do IBGE, artigo de José Eustáquio Diniz Alves Sem conhecer o tamanho real da população e sua estrutura por sexo e idade fica impossível calcular...

Por EcoDebate