Quimiweb
Tintas, Adesivos & Construção
mercado
produtos
período
produção
igual

Demanda por químicos cresce 13,8% no semestre impulsionando a produção e as vendas dos produtores locais

Tintas & Vernizes

Autor

Demanda por químicos cresce 13,8% no semestre impulsionando a produção e as vendas dos produtores locais

Paradas programadas para manutenção justificam os recuos das variáveis internas

de junho, enquanto as importações seguem em ritmo crescente

Em junho de 2021, a demanda interna por produtos químicos manteve o ritmo acelerado, com o consumo aparente nacional (CAN) registrando elevação de 7,3% sobre o mês de maio. Já os volumes de produção e de vendas internas dos produtos químicos de uso industrial apresentaram recuo, refletindo especialmente a realização de paradas programadas para manutenção: o índice de produção IGQ-P Abiquim-FIPE recuou 4,22% e o de vendas internas IGQ-VI Abiquim-FIPE caiu 2,37%.

Na comparação com igual mês do ano passado, o volume de vendas internas caiu 0,79% em junho de 2021 – primeiro resultado negativo nessa comparação desde julho de 2020 – enquanto o índice de produção, o IGQ-P Abiquim-FIPE apresentou elevação de 11,41% em junho de 2021.

Quanto à capacidade instalada, o nível de utilização ficou em 67% em junho de 2021, quatro pontos abaixo do nível do mês anterior, puxado em especial pelo grupo de resinas termoplásticas, cujo uso das instalações foi de apenas 68% – pior resultado desde maio do ano passado.

Em relação aos preços praticados no mercado doméstico, o IGP Abiquim-FIPE registrou alta nominal de 0,09% em junho, após ter apresentado elevação de 1,32% em maio de 2021, seguindo o comportamento dos preços dos produtos químicos no mercado internacional e as cotações das principais matérias-primas básicas do setor, que estão atreladas ao petróleo e ao gás.

No acumulado do 2º trimestre de 2021, na comparação com igual período do ano passado, os volumes apresentam crescimentos expressivos, sobretudo pelo forte impacto da Covid-19 na base de comparação, entre abril e maio de 2020. No 2º trimestre deste ano, o índice de produção subiu 20,27%, o de vendas internas cresceu 20,07%, o CAN apresentou elevação de 18,8%, enquanto as importações tiveram alta de 16,03%, todas as variações em relação aos meses de abril a junho de 2020. O uso das instalações alcançou 69% no 2º trimestre deste ano, contra 66% em igual período de 2020, mas ainda mantendo um patamar elevado e preocupante de ociosidade, superior a 30%.

No acumulado do 1º semestre de 2021, os índices de volume do segmento químico mantiveram o desempenho forte e crescente em relação a igual período do ano passado, com os seguintes resultados comparativos: produção +9,66%, vendas internas +13,04% e consumo aparente nacional +13,8%. No mesmo período, o volume de importações da mesma amostra de produtos subiu 17,6%, enquanto o de exportações recuou 14,6. Entre janeiro e junho de 2021, as importações representaram 45% de toda a demanda por produtos químicos no mercado interno.

O índice de preços teve alta nominal de 44,4% de janeiro a junho de 2021, refletindo as flutuações do mercado internacional, além da valorização do Real, em relação ao dólar, de 3,74% em igual período de comparação.

A taxa de ocupação das instalações alcançou 71% na média de janeiro a junho, dois pontos acima da de igual período de 2020, mostrando melhorias em sete dos oito grupos avaliados, mas ainda assim mantendo a elevada ociosidade. O único grupo de produtos com declínio no uso da capacidade instalada foi o de intermediários para fertilizantes, que teve 68% de taxa de uso das instalações nos primeiros seis meses deste ano, contra 83% em igual período do ano anterior.

Nos últimos 12 meses (de julho 2020 a junho 2021), o índice de produção apresentou crescimento de 8,92%, e o índice de vendas internas, 14,15%. A parcela da produção local destinada ao mercado externo, vem exibindo recuos desde janeiro do ano passado. Nos últimos 12 meses, as vendas externas recuaram expressivos 19,0% sobre igual período anterior, demonstrando a prioridade que tem sido dada pelos fabricantes locais à demanda do mercado doméstico.

No que se refere às importações, o volume também vem mantendo crescimento acentuado, com elevação 16,1% nos últimos 12 meses encerrados em junho de 2021, com a manutenção da parcela de 46% da demanda local.

Esses resultados estão diretamente vinculados ao crescimento do consumo de produtos químicos no mercado doméstico nos últimos 12 meses, ocasião em que o CAN cresceu 14,1%. Nos últimos 30 anos, a variável CAN teve crescimento médio anual de 3% (valor bem acima dos 2,2% de crescimento do PIB em igual base de comparação, confirmando a elevada elasticidade média histórica de 1.4 vezes de alta da demanda de químicos em relação ao PIB), enquanto a produção interna subiu 1,5% a.a., metade do crescimento anual do CAN, e as importações cresceram 9,5% a.a., passando a ocupar 46% do mercado local, contra 7% no início dos anos 1990.

Para a diretora de Economia e Estatística da Abiquim, Fátima Giovanna Coviello Ferreira, o setor químico tem por tradição trabalhar com uma visão de longo prazo. Os investimentos são intensivos em capital e geralmente entre a decisão e a efetivação das plantas decorre um espaço aproximado de cinco anos. A definição por novos investimentos também precisa estar atrelada ao fornecimento competitivo e de longo prazo das matérias-primas básicas, mas sobretudo ao uso adequado e eficiente das plantas instaladas atualmente, portanto, será muito importante reduzir a ociosidade de quase 30% que vem se observando nos últimos quatro anos. Dada a natureza essencial e estratégica da química e sua presença em praticamente todos os demais setores da economia, a demanda vem se mantendo aquecida por insumos utilizados no combate, na prevenção e no tratamento da Covid-19, como produtos para tratamento de água, produtos de limpeza, sanitizantes, gases medicinais, descartáveis hospitalares, embalagens de alimentos, detergentes/desinfetantes, medicamentos, entre tantos outros. “Esse fato enfatiza a necessidade de se estimular a atividade química no País, como fazem diversos outros países, diminuindo a dependência por produtos importados. Não há país desenvolvido sem uma química forte na sua base industrial. A química gera valor e esse valor sempre tem um efeito multiplicador importante em renda, emprego e impostos”, afirma a executiva.


Leia este artigo com uma
conta gratuita.

Já tem uma conta? Faça Login

Relacionados

Há 62 anos conectada com a qualidade da informação

Há 62 anos conectada com a qualidade da informação

A Revista Tintas & Vernizes participa há mais de 60 anos da evolução e dos desafios do setor e se consagrou como o primeiro e o mais importante veículo de imprensa da área de tintas com o compromisso de...

Por Tintas & Vernizes

Polystell comemora 20 anos de atuação no setor químico

Polystell comemora 20 anos de atuação no setor químico

Consolidada no mercado brasileiro e com um plano de investimento colocado em prática, empresa segue em expansão atuando na fabricação e distribuição de aditivos químicos e especialidades para diversos segmentos industriais O ano de 2021 traz um marco para...

Por Tintas & Vernizes

Revista Tintas & Vernizes divulga resultado da 6ª Pesquisa de Qualidade para Fornecedores

Revista Tintas & Vernizes divulga resultado da 6ª Pesquisa de Qualidade para Fornecedores

Profissionais do setor de tintas opinaram sobre 26 categorias de produtos pesquisados, além de outros quesitos Por Francely Morrell Nesta edição em que comemoramos os 62 anos da Revista Tintas & Vernizes, divulgamos o tão aguardado resultado da 6ª...

Por Tintas & Vernizes